domingo, 10 de agosto de 2008

Dia dos Pais

Meu pai faleceu quando eu tinha 9 anos.
Morreu muito jovem, aos 30; da doença mais cruel, Câncer. A doença que não acaba só com quem a tem, acaba com uma família inteira, destrói, deixa cicatrizes incuráveis.
Deixou uma esposa jovem e dois filhos pequenos, que cresceriam sem o seu amor zeloso e suas orientações.
Quando eu era pequena, esse era o dia mais doído pra mim, principalmente na escola, quando as professoras distribuíam aquelas lembrancinhas pra gente entregar para os nossos pais. Eu achava horrível. Uma criança pegando um presente pra entregar pra? Ninguém.
Doía muito. Hoje, adulta, dói de outras maneiras. Mas é uma dor que não passa. Ameniza com o tempo, mas não passa. Não vai passar nunca.
Mas o importante é que um dia, mesmo que por pouco tempo, eu o tive. E ele me marcou. Eu pareço muito com ele. Fisicamente e internamente também.
Sei que ele me amou muito. E que não queria me deixar. Não queria nos deixar.
“ Dra. Clara, esse é o motivo pelo qual a senhora não pode deixar que me vá agora” – Ele escreveu atrás de uma foto na qual estávamos eu e meu irmão. Dra. Clara era a médica dele, e eu e meu irmão, o motivo pelo qual ela não podia o deixar ir.
Toda vez que vejo essa foto e leio isso, eu choro feito um bebê.
Mas o que me alenta, é que eu sei que, quando eu for embora daqui, ele estará me esperando.
Paizinho, eu te amo!
Saudades imensas!

"Pai, pode crer, eu tô bem eu vou indo, tô tentando vivendo e pedindo, com loucura pra você renascer..."

6 comentários:

July disse...

Carolzinha... suas palavras me emocionaram!!!

AMO TU XUXU!!!

Bjos

Gustavo disse...

Cacau...eu até queria te escrever umas palavras, mas não sei o que te dizer...acho que nada que eu disser, iria adiantar para aliviar o que tu tá sentindo hoje.
Com certeza, teu pai não tá aqui na presença física, mas tá de alma, tá aqui em ti, no teu irmão, nesse teu jeito, que tu disse que parece com ele!
E , com certeza, ele tem muito orgulho dessa filha linda e maravilhosa que ele deixou.
Grande abraço.

Sammyra Santana disse...

ai Carolzinha, eu compreendo e sinto tudo isso que vc sente, meu pai tb faleceu de cancer, mas eu tive a felicidade de passar mais tempo com ele do q vc (ele faleceu quando eu tinha 21).
hj é um dia especialmente triste, não que não sintamos saudades nos demais, mas é que hj metem fundo o dedo na ferida, né?
mas temos anjos cuidando de nós!
Beijo, flor

Lucí disse...

Nossa, ontem foi um dia que li coisas lindas, que fizeram eu me emocionar, como aqui, li ontem ainda seu texto, fiquei com os olhos marejados.

Essa é um dor pura. Nada vai mudar, apenas sentimos, mas o importante é que vc viveu na fase pai heroi, ele nao te viu crescer e vc nao o viu como um homem, apenas como uma lembrança, nao teve tempo de se decepcionar ou talvez nao se decepcionasse, mas o destino sabe o que faz..

Bjos linda, tenha uma linda semana.

NAELA disse...

Carol minha linda...bela homenagem, sublime e profunda!
Beijo magico

João Videira Santos disse...

Um grito de amor na saudade presente. Embora triste, são factos como este que nos obrigam a olhar com mais atenção para a nossa presença na vida.